21 de jan de 2011

Aeronave faz pouso forçado em praia de município no interior do Amazonas

Uma aeronave Embraer EMB-721C Sertanejo, da empresa Ortiz Táxi Aéreo fez um pouso forçado em uma praia entre o município de Envira (a 1.218 quilômetros de Manaus) e Eirunepé (a 1.245 quilômetros da capital), na tarde desta quarta-feira (19).

O monomotor decolou na capital acreana e fez escala na cidade de Manuel Urbano (a 220 quilômetros de Rio Branco).

Após a parada, o monomotor seguiu com destino a Eirunepé. A aeronave apresentou problemas no motor e pousou em uma comunidade próxima ao município de Envira, no Sul do Amazonas.

Três passageiros e o piloto tiveram ferimentos leves e foram atendidos no hospital da cidade. Na manhã desta quinta-feira (20), eles retornaram a Rio Branco. (JK)

Fonte: Portal Amazônia (com informações da TV Acre)

Monomotor com 5 pessoas que caiu em SP estava com documentação irregular


O avião monomotor modelo Bonanza, prefixo PP-BIL, que caiu por volta das 8h30m desta quarta-feira no bairro rural de Vila Azul, em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, estava com a documentação irregular, segundo a Polícia Civil. Tanto a documentação do avião quanto a do piloto estão irregulares. Já a pista utilizada pela aeronave é homologada, segundo o site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Segundo a Anac, a Agência Nacional de Aviação Civil, fazer voos com uma aeronave com a documentação irregular acarreta multa e processo para o dono do avião e também para a tripulação.

O piloto William Sakar e a filha Carolina passam bem, mas continuam internados em observação no Hospital Beneficência Portuguesa. A mulher do piloto, Solange Teixeira Sakar, está no Hospital de Base, onde passou por uma cirurgia. O filho mais novo do casal teve ferimentos leves e já está em casa. Já recuperado, o filho do piloto, que também estava na aeronave, foi buscar as malas da família no local do acidente.

O piloto contou aos policiais que não conseguiu atingir a altitude necessária durante a decolagem, bateu no chão e destruiu o muro de uma propriedade.

No local do acidente, os oficiais da Força Aérea Brasileira recolheram indícios que podem explicar a razão da queda.

Fontes: TV TEM / O Globo - Foto: Reprodução/TV TEM

20 de jan de 2011

Helicóptero do Exército sofre acidente em Nova Friburgo


Helicóptero do Exército sofreu um acidente por volta do meio-dia desta quinta-feira (20), em Nova Friburgo. Militares investigam se a aeronave caiu ou precisou fazer um pouso forçado em Campo do Coelho, na zona rural. A aeronave parou sobre uma montanha de esterco, o que teria ajudado a amortecer a queda.

Não houve vítimas fatais. As primeiras informações dão conta de que dois tripulantes ficaram levemente feridos.Três militares e dois agentes da Cruz Vermelha estavam a bordo da aeronave. Eles levavam mantimentos para as vítimas das chuvas que devastaram a Região Serrana. Os feridos foram encaminhados para hospitais de Friburgo.

Segundo relatos de testemunhas, o acidente aconteceu foi volta das 12h30, quando o helicóptero se preparava para pousar. Embora tenha perdido o controle da aeronave, o piloto conseguiu fazer uma aterrissagem forçada. O comandante da 1ª Divisão do Exército, general Ferreira, destacou uma equipe para investigar o problema.

Fonte: Flávia Salme (iG) - Foto: Marcelo Piu (Agência O Globo)

19 de jan de 2011

Avião cai em São José do Rio Preto (SP)

Cinco pessoas de uma mesma família estavam a bordo.

Aeronave não atingiu altitude durante decolagem e caiu.

Um avião caiu por volta das 8h30 desta quarta-feira (19) no bairro Vila Azul, em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo.

Segundo informações da polícia, o monomotor Beechcraft A36 Bonanza, prefixo PP-BIL, decolou de uma pista particular que fica em um conjunto de chácaras, afastado do Centro de Rio Preto. Ele seguia com destino a Guarapari, no Espírito Santo.

O piloto contou aos policiais que não conseguiu atingir a altitude necessária durante a decolagem, bateu no chão e destruiu o muro de uma propriedade.

Cinco pessoas de uma mesma família estavam a bordo, incluindo o piloto. Elas tiveram ferimentos leves e foram levadas para hospitais da cidade.

O Corpo de Bombeiros foi chamado porque houve vazamento de combustível. Entretanto, não há risco de explosão, segundo os bombeiros. O local do acidente foi isolado à espera da perícia.

Fonte: G1 (com informações da EPTV)

Aeroviários devem se reunir amanhã para decidir sobre reajuste de 8,75%

Brasília – O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA), após reunião com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac) no início desta semana no Rio de Janeiro, apresentou proposta para ampliar de 8,2% para 8,75% o reajuste salarial dos aeroviários e aeronautas. Amanhã (20), em todo o Brasil, os sindicatos e as federações de trabalhadores estarão em assembleia para discutir a aprovação desse percentual.

“Esse aumento (2,67% sobre salários e 3,92% sobre pisos) foi o que chegou mais perto do nosso objetivo inicial. Tem que haver aceitação das propostas pelos trabalhadores em todo o Brasil, é o que eu espero que aconteça”, afirmou o presidente do Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre Celso Klafke.

Se os trabalhadores aceitarem as propostas e houver um consenso nacional, na sexta-feira (21) a Fentac volta ao Rio de Janeiro para formalizar as assinaturas das convenções coletivas.

A busca por aumento salarial da categoria começou em setembro do ano passado, quando o pedido de reajuste inicial era de 15% sobre os salários e 30% sobre os pisos. Sem conseguir chegar a um acordo, a categoria planejou uma greve, com início marcado para o dia 23 de dezembro. Uma decisão da Justiça impediu a paralisação.

fonte: correioweb

17 de jan de 2011

Avião cai em Goiás e mata neto do governador de TO e mais 5


Um avião bimotor caiu no município de Senador Canedo, a 12 km de Goiânia, em Goiás, no início da noite desta sexta-feira (14).

Segundo a Força Áerea Brasileira (FAB), o avião particular modelo Beech 22 era ocupado por seis pessoas, sendo que todas morreram no acidente. O presidente da Agência Tocantinense de Notícias, Sandro Petrelli, confirmou que Gabriel Marques Siqueira Campos, 12 anos, neto do governador do Tocantins, Siqueira Campos (PSDB), estava à bordo.

Além de Gabriel, viajavam no avião ainda duas outras crianças, amigos de Gabriel, a mãe deles e o piloto e o copiloto. Segundo a FAB, o último contato com a torre de controle foi feito às 18h15. Até então, não havia sido relatado nenhum tipo de problema no voo. O Corpo de Bombeiros da capital foi acionado às 18h34 e as equipes permaneciam no local por volta das 10h30.

Mais cedo, os bombeiros haviam dito que a aeronave seria um bimotor modelo King Air B-200, informação que foi corrigida posteriormente pela FAB. O avião saiu do aeroporto de Palmas, no Tocantins, fez escala em Brasília e seguia com destino a Goiânia.

A aeronave foi emprestada pelo proprietário, Roberto Pires, dono da construtora CMN, de Palmas, amigo pessoal do ex-senador Eduardo Siqueira Campos, pai de Gabriel e filho do governador. A criança e os amigos seguiam para Goiânia em uma viagem de férias.

Segundo o coronel dos Bombeiros Múcio Ferreira chovia muito quando a aeronave se chocou nas árvores do Morro Santo Antônio e explodiu. O local da queda é de difícil acesso e os bombeiros tiveram que combater o fogo que consumiu os destroços da aeronave.

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás resgatou na madrugada deste sábado os corpos das vítimas que estavam no avião bimotor que caiu no município de Senador Canedo, a 12 km de Goiânia, em Goiás, no início da noite de sexta-feira. Os corpos encontrados foram levados para o Instituto Médico Legal. O co-piloto é o único que continua desaparecido. Segundo os bombeiros, partes de seu corpo podem estar junto com a das outras vítimas. Mesmo assim, os bombeiros continuam as buscas neste sábado.

Segundo a Força Áerea Brasileira (FAB), o avião particular modelo Beech 22 era ocupado por seis pessoas. O presidente da Agência Tocantinense de Notícias, Sandro Petrelli, confirmou que Gabriel Marques Siqueira Campos, 12 anos, neto do governador do Tocantins, Siqueira Campos (PSDB), estava à bordo.

Além de Gabriel, viajavam no avião ainda duas outras crianças, amigos de Gabriel, a mãe deles e o piloto e o co-piloto. Segundo a FAB, o último contato com a torre de controle foi feito às 18h15. Até então, não havia sido relatado nenhum tipo de problema no voo. O Corpo de Bombeiros da capital foi acionado às 18h34 e as equipes permaneciam no local por volta das 10h30.

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás encontrou por volta das 10h20 deste sábado o corpo do copiloto Tiago Bastos de Oliveira, 21 anos,sexta vítima do acidente com o bimotor Beech 22, que caiu ontem no início da noite em Senador Canedo (12 km de Goiânia). A tragédia vitimou também o neto do governador de Tocantins, Siqueira Campos (PSDB), Gabriel, de 12 anos, e mais cinco pessoas, duas delas crianças.

O piloto Bruno de Oliveira Pessoa foi o primeiro corpo a ser identificado, logo após o acidente. Ele estava do lado de fora da aeronave. Por volta das 4h, todos os corpos - Gabriel Marques Siqueira Campos, Guilherme, 7 anos, e Luiz Carlos Coelho, 11 anos, filhos da quinta vítima, Andreia Rosália Santos Silva Coelho, de 37, já haviam sido resgatados, faltando apenas o corpo do copiloto que ainda estava desaparecido

Fonte: Mirelle Irene (Terra) - Fotos: Mirelle Irene (Terra) / Sebastião Nogueira (O Popular/AE)

13 de jan de 2011

Reunião entre empresas aéreas e funcionários sobre reajuste salarial termina sem acordo

Terminou sem acordo a reunião de trabalhadores e empresas aéreas por reajuste salarial, ocorrida nesta quarta-feira. Por meio do Snea (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias), as empresas propuseram um aumento de 8,2% para todas as categorias de trabalhadores do setor; e de 8,55% para aqueles que ganham o piso salarial.

A proposta será discutida pelos sindicatos de trabalhadores. Uma nova reunião foi marcada para a próxima segunda-feira, dia 17.

"As negociações avançaram, mas ainda não chegamos a um acordo", afirmou o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Aeroviários, Marcelo Schmidt. "Os dois lados fizeram concessões."

A demanda dos aeroviários (trabalhadores em terra) e aeronautas (que atuam em voo) até antes da reunião era de 10% e 15%, respectivamente. Uma contraproposta foi apresentada pelos trabalhadores, mas eles não quiseram revelar os valores.

Segundo o Snea, ninguém falou na possibilidade de greve durante toda a reunião.

No final de dezembro, os trabalhadores ameaçaram entrar em greve, mas foram impedidos por decisão da Justiça do Trabalho. O prazo para a não realização de greves acabou no dia 10 de janeiro.

Fonte: Mariana Barbosa (Folha.com)

10 de jan de 2011

Avião com 105 passageiros cai no Irã


Acidente ocorreu durante nevasca próximo a Orumiyeh, no noroeste do país.

Havia 105 pessoas a bordo, e 50 foram resgatadas feridas, mas com vida.

O avião de passageiros Boeing 727-286/Adv, prefixo EP-IRP, da empresa estatal Iran Air caiu neste domingo (9) próximo à cidade de Orumiyeh, no noroeste do Irã, perto da fronteira com a Turquia.

Havia 105 pessoas a bordo, e 50 delas foram resgatadas feridos, mas com vida, disse Gholam Reza Masumi, chefe local dos serviços de emergência.

Segundo a agência Isna, seriam 95 passageiros e 10 tripulantes.

Ainda de acordo com a Isna o acidente ocorreu às 19h45 locais (14h15 de Brasília).

O desastre teria ocorrido durante o pouso. O motivo, segundo a mídia iraniana, foi o mau tempo. Nevava e ventava muito na região.

Masumi afirmou que os trabalhos de resgate estão difíceis, pois o local estava coberto por uma camada de neve de cerca de 70 centímetros.

O avião vinha da capital, Teerã, que também foi atingida por fortes nevascas neste domingo. Ele saiu com mais de uma hora de atraso por conta da neve.

O Irã tem sido palco de vários acidentes aéreos nas últimas décadas. As sanções impostas pelos EUA ao país impedem a compra de novas aeronaves ou a reposição de peças, prejudicando a qualidade da frota.

O último grande acidente ocorreu em julho de 2009, quando um Tupolev da Caspian Airlines caiu, matando todos os 168 que estavam a bordo.

Em fevereiro de 2003, um Ilyushin-76 caiu no sudeste do país, matando 276 membros da Guarda Revolucionária e tripulantes.

6 de jan de 2011

Sindicato orienta aeronautas a não aumentar ritmo de trabalho

Tripulantes deixaram de aceitar alteração de escalas e suspensão de folgas.

'Nós cansamos de colaborar', diz presidente do Sindicado.

Atrasos e cancelamentos de voos domésticos e internacionais causam transtornos a passageiros com viagens marcadas desde o início desta semana. Segundo boletim da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a TAM é a companhia aérea com o maior número de voos com atraso. Dos 232 previstos pela empresa até as 9h desta quarta-feira (5), 66 (28,4%) registram atraso e dez (4,3%) foram cancelados.

Apesar de a companhia informar que opera normalmente, funcionários da TAM estão entre os orientados pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas a não exceder a jornada de trabalho prevista em lei, e não abrir mão de folgas para compensar atrasos e cancelamentos de dias anteriores.

“Nós cansamos de colaborar. As empresas aéreas não se prepararam para o crescimento e por isso nossas escalas mensais são constantemente alteradas, as folgas desaparecem, e há aeronautas com problemas inclusive de relacionamento familiar. Demos um basta. Não vamos fazer greve, mas demos um basta na colaboração. Estamos cumprindo apenas a lei”, diz ao G1 o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, comandante Gelson Fochesato.

Os atrasos dos últimos dias foram justificados pelas empresas aéreas pelo grande fluxo de pessoas nos aeroportos e más condições meteorológicas em diversas partes do país. Segundo a assessoria de imprensa da Associação dos Tripulantes da TAM (ATT), não há nenhuma movimentação oficial de recusa na alteração de escalas de trabalho ou folgas por parte dos funcionários da empresa.

Os atos, segundo o Sindicato e a ATT, são voluntários de tripulantes insatisfeitos com o excesso de trabalho e ocorrem com aeronautas de todas as companhias aéreas. “Claro que há empresas que se preparam melhor. E outras que pressionam seus funcionários, como muitos denunciam, mas, em geral, essa decisão de só cumprir o que manda a lei ocorre com funcionários de todas as companhias”, afirma Fochesato.

Em nota, a TAM informou que "opera em segurança e com respeito à Lei do Aeronauta, com seus limites de jornada, horas mensais e folgas, e desconhece qualquer movimento como o relatado". A empresa afirma ainda que, no próximo dia 12, o sindicato das empresas deverá se reunir com os sindicatos dos aeroviários e dos aeronautas para, como acordado no dia 29 de dezembro, prosseguir a negociação de reajuste salarial.

Sobre os atrasos e cancelamentos dos últimos dias, a TAM afirma que "um conjunto de fatores dificultou a operação na volta do feriado".

Fonte: Nathália Duarte (G1)

TAM atrasa, de novo, mais de 50% dos voos

''Estado'' teve acesso a documento por meio do qual empresa orientou comandantes a não atribuir atrasos a faltas ou problemas de tripulação

Passageiros da TAM enfrentaram ontem mais um dia de caos nos aeroportos. A companhia chegou a atrasar mais da metade das decolagens em pelo menos 30 minutos. Às 14 horas, 52,9% dos 478 voos programados até aquele momento estavam atrasados. Às 22h, 65 haviam sido cancelados (7,9%).

O problema tem sido constante. No domingo, houve 46% de atrasos. Na segunda, 57%. Segundo a TAM, a meteorologia tem motivado ajustes na malha aérea em período de grande demanda. A Infraero informou ontem à tarde que quatro aeroportos, em Foz do Iguaçu (PR), Montes Claros, Uberlândia e Confins (MG), tiveram fechamentos.

A TAM nega que a tripulação seja insuficiente para atender à demanda, como afirmam sindicatos do setor. O Estado teve acesso, entretanto, a um documento distribuído a comandantes em novembro, solicitando que eles "evitem utilizar como motivo de adiamento a falta ou o atraso dos tripulantes".

O documento foi visto como mordaça. "A empresa diz nas entrelinhas para mentirmos enquanto falta tripulação, não tem avião para voar e há desorganização", afirmou um comandante que pediu para não ter o nome divulgado. "Muitas vezes não tem copiloto e outro comandante precisa fazer a função, voando do lado esquerdo da aeronave, onde não está acostumado."

Performance

O desempenho da TAM tem sido pior do que o da maioria das empresas. Apenas a Webjet, cujas decolagens têm sofrido atrasos constantes, chegava perto dos índices da TAM às 14h de ontem, com 40,3% de atrasos. A empresa culpou problemas meteorológicos e volume de passageiros.

O empresário Denis Ricardo Tribes, de 23 anos, reclamava ontem que havia perdido um dia de trabalho. Seu voo saiu do Aeroporto de Confins (MG) com uma hora e meia de atraso. Ele pousou em São Paulo por volta das 13h10, quando já havia perdido a conexão para Joinville (SC). O passageiro da TAM esperava a nova conexão às 18h45.

A TAM afirma que está assistindo os passageiros e trabalha para normalizar as operações, usando até aeronaves voltadas para voos internacionais. A companhia afirma que o comunicado obtido pela reportagem é do dia 26 de novembro, quando chuvas interromperam as operações de vários aeroportos. Equipes chegaram com atraso ou superaram o limite de horas trabalhadas. O objetivo era preservar os tripulantes, diz a TAM.

Anac

O alto índice de atrasos nos voos nesta semana e a forte movimentação de passageiros retornando das festas de fim de ano levaram a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a estender até sexta-feira a operação especial para evitar transtorno nos aeroportos. O esquema, iniciado em 17 de dezembro, deveria acabar anteontem. A prorrogação se restringe aos aeroportos de São Paulo, Rio e Brasília.

Fonte: Paulo Saldaña e Márcio Pinho - O Estado de S.Paulo (colaborou Glauber Gonçalves) - Foto (Aeroporto Confins): Beto Magalhães/Em/D.A Press

5 de jan de 2011

TAM atrasa mais da metade dos voos programados nos aeroportos brasileiros


Transtornos atormentam os passageiros pelo segundo dia seguido. Além da demora, clientes da Webjet têm as malas retidas pela companhia
Desrespeito reina nos aeroportos. Em Brasília, 3 dias após garantir o pouso de políticos para a posse de Dilma, 42% das decolagens saem fora da hora.

Passada a solenidade de posse da presidente Dilma Rousseff, quando as companhias aéreas respeitaram os horários programados para os voos, ontem elas voltaram definitivamente à rotina dos atrasos. Pelo segundo dia consecutivo, elas comprometeram os horários de partida nos aeroportos brasileiros, com índices médios de 28,5% até as 19h de ontem, acarretando prejuízos e grande desconforto aos usuários. A TAM, novamente, liderou o ranking, com 51,3% das decolagens (339 partidas) além do prazo de tolerância de 30 minutos. Em seguida, vieram Webjet, com 43% (49 voos); e a Gol, com 16,2% (110 decolagens).

Mais uma vez o Aeroporto Internacional de Brasília registrou o maior índice de atrasos, com 42,2% das partidas acima de meia hora. O Aeroporto de Salvador teve 47 voos atrasados, ou 41,2%. Em São Paulo, o Aeroporto de Guarulhos registrou atrasos em 37,1% das partidas e o de Congonhas, em 22,5%. No Rio de Janeiro, o Aeroporto do Galeão teve índice de demora de 34,5%, com 38 voos partindo fora do horário previsto.

O engenheiro civil João Marcílio Silva Santos, 48 anos, chegou às 14h no Aeroporto de Brasília, vindo do Rio de Janeiro, pela TAM, para fazer uma conexão que o levaria a Belém do Pará. Mas, às 15h, foi informado de que seu novo voo partiria somente às 19h25. “O atraso de hoje é grave. Mas já houve ocasião em que comprei voo direto e a empresa fez escala. Sem contar a desonestidade do leilão, que fazem com as passagens que custam R$ 300 numa data passem a custar R$ 1.000 ou R$ 1.800 depois. Qual a lógica? Não oferecem nada demais. Não viajamos em aviões melhores. É um absurdo”, reclamou.

Fiscalização
Em resposta à crise do setor aéreo, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) estendeu até a próxima sexta-feira, dia 7, a operação especial de fim de ano, nos aeroportos de Guarulhos, de Congonhas, do Galeão, do Santos Dumont e de Brasília. A agência informou que continuará fiscalizando o cumprimento da assistência aos passageiros. O atendimento de ser prestado mesmo que os atrasos ou cancelamentos sejam motivados por problemas metereológicos. Se não receberem a atenção devida, os consumidores podem registrar queixa na Anac pelo telefone gratuito 0800 725 4445 ou pela internet (www.anac.gov.br).

Na análise de especialistas, a causa dos atrasos nos aeroportos brasileiros reúne vários fatores. Além da falta de estrutura aeroportuária, as empresas ampliaram em demasia a malha de rotas para absorver a demanda de passageiros das classes C, D e E, que passaram a viajar de avião em decorrência do aumento da renda. Soma-se à nova realidade, responsável pelo caos aéreo de 2011, a tentativa das companhias de utilizarem seus aviões e tripulações acima da capacidade de reposição ou de manutenção.

Crítico, o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), Luiz Sérgio de Almeida Dias, afirmou que os trabalhadores suspenderam o movimento de greve antes do Natal para que a culpa pelos atrasos não recaísse sobre eles. “As empresas estão tropeçando nas próprias pernas, porque não investem e não contratam mão de obra. Agora, não conseguem operar devido ao excesso de jornada das tripulações”, acusou.

A confusão generalizada atravessou fronteiras e atingiu o ex-governador de São Paulo e ex-candidato ao Palácio do Planalto José Serra. No Twitter, o tucano revelou que ficou 10 dias no exterior sem bagagens, devido a uma falha da Air France.

Na Webjet, só sem bagagem
» A Webjet está deixando os passageiros sem malas. Consumidores que partiram do Rio de Janeiro nos últimos dois dias se queixam de não terem recebido suas bagagens ao desembarcar em Brasília. Quando chegaram à capital federal, foram orientados por funcionários da companhia a preencherem uma ficha com endereço e telefone. A promessa era de que os pertences seriam entregues no dia seguinte, o que não ocorreu. “Como é que a gente fica? Tem remédio, agasalho e outras coisas nas malas”, reclamou a dona de casa Maria Luisa Cunha, 53 anos. Apenas as bagagens de pessoas portadoras de necessidades especiais e idosos foram liberadas. De acordo com a Webjet, em função de problemas climáticos a capacidade de peso do avião precisou ser reduzida. As malas tiveram de ser transportadas em outro voo e ainda ontem começariam a ser entregues nos endereços dos passageiros.


Raiva provoca violência
Um avião da TAM, que partiria de Brasília na tarde de segunda-feira, com destino a Florianópolis (SC), teve o trajeto cancelado e os usuários acabaram transferidos para outra aeronave, que só saiu por volta de 11h40 de ontem. O desrespeito terminou em confusão no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek. Enfurecida, uma senhora quebrou um dos vidros do transporte da Infraero, enquanto aguardava o avião na pista de pouso, na manhã de ontem. O oceanógrafo Rodrigo Barletta, 37 anos, estava no mesmo voo e relatou como foi a demora.

“Eu briguei muito até embarcar. Nós ainda fomos levados para o pátio por volta de 0h30. Esperamos um tempo embaixo de chuva, mas voltamos ao saguão, porque não tinha avião. Só conseguimos embarcar no outro dia de manhã”, relatou. Segundo o oceanógrafo, todos estavam revoltados com o descaso da companhia. “Foi um total absurdo. A empresa aérea pagou hotel e um lanche, mas foi desorganizado. Fomos levados para lá as 4h e só conseguimos dormir às 5h30, porque uma fila enorme se formou no lugar. Também havia crianças, idosos e grávidas”, reclamou.

Acareação
Barletta, que mora na capital catarinense e, no mês passado, viajou a Brasília para passar o fim de ano com os pais, contou que a única informação passada aos passageiros durante a espera foi de que o avião não sairia por falta de tripulação. Entretanto, em resposta, a TAM informou que o voo foi cancelado por conta de ajustes feitos na malha — causados por atrasos e cancelamentos anteriores . Os clientes se sentem lesados e prometem entrar com uma ação coletiva contra a empresa aérea. “Colhi os telefones e e-mails de todos para decidir o que faremos. Não vamos ficar calados diante disso tudo. Devemos acionar a justiça contra a companhia”, completou.

No total, 151 pessoas tinham passagens para esse voo da TAM. A Polícia Federal explicou que os envolvidos já haviam embarcado e, por isso, a mulher prestaria esclarecimentos em Florianópolis. Os agentes do posto localizado no aeroporto da cidade disseram que não tinham informações sobre o ocorrido. A Infraero disse que os ônibus ficam à disposição das empresas para embarques em condições remotas e, por isso, as companhias são responsabilizadas por qualquer dano aos veículos. Ainda assim, haverá uma acareação dos fatos para decidir quem deve arcar com o prejuízo. A TAM também não sabe se irá reembolsar a empresa.

3 de jan de 2011

Piloto morre em queda de avião em Santa Catarina



Peritos vão analisar destroços para determinar as causas do acidente.

O avião de pequeno porte Piper PA-25-260, prefixo PT-DJS, caiu perto da pista de um aeroporto agrícola em Corupá (SC), na manhã desta segunda-feira (3). O piloto, de 38 anos, morreu no local.

Rudival Moreira da Silva Júnior decolou por volta das 9h30min desta segunda-feira. O monotor estava carregado com 300 litros de óleo mineral que seria pulverizado na plantação. O avião de pequeno porte caiu a 800 metros da cabeceira da pista do aeroporto agrícola do município.

Segundo o corpo de Bombeiros, a aeronave era usada na fumigação de lavouras. O avião caiu a cerca de 350 metros da lateral da pista de pouso, mas não chegou a explodir.

O corpo do piloto foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Jaraguá do Sul (SC). Peritos também vão analisar os destroços da aeronave para que as causas do acidente sejam determinadas.

Rudival tinha 15 anos de profissão e teria dois voos programados para realizar nesta segunda-feira.

WikiLeaks: diplomatas americanos promoveram Boeing contra Airbus

Washington - Diplomatas americanos intervieram em várias ocasiões para convencer governos estrangeiros a comprar aviões fabricados pela Boeing e não por sua concorrente europeia Airbus, afirma uma nova publicação de documentos dos Estados Unidos vazados pelo WikiLeaks.

As mensagens diplomáticas, repassadas ao jornal The New York Times pelo site WikiLeaks, documentam vários incidentes nos quais diplomatas defenderam e lutaram a favor da Boeing em contratos multimilionários, com o argumento de que eram cruciais para o crescimento da economia americana.

Um documento relata a resposta favorável do rei saudita Abdullah, em 2006, a um pedido pessoal do então presidente George W. Bush para que comprasse 43 Boeing para a estatal Saudi Arabian Airlines e outros 13 para a frota real.

Mas o rei "queria ter toda a tecnologia que seu amigo, o presidente Bush, tinha em (seu avião oficial) Air Force One", afirma o documento citado pelo New York Times.

Quando o monarca tiver seu avião particular equipado com a tecnologia mais avançada do mundo em telecomunicações e defesa, "se Deus quiser, tomará uma decisão que será muito satisfatória", acrescenta o documento.

Em novembro, a companhia aérea anunciou que havia assinado um contrato com o fabricante americano para 12 novos 777-300ER por cerca de 3,3 bilhões de dólares. O departamento de Estado confirmou ao jornal que havia autorizado o "reparo" do avião do rei, mas recusou-se a dar detalhes por questões de segurança.

A Airbus também recebeu ajuda similar por parte do presidente francês: os documentos descrevem, entre outros, uma luta amarga entre a administração Bush e Nicolas Sarkozy para obter um contrato com o Bahrein.

A diplomacia americana ganhou a disputa unindo a assinatura do contrato a uma visita de Bush em janeiro de 2008, a primeira de um presidente dos Estados Unidos em exercício ao Emirado, informou o jornal.

A Turquia, por sua vez, queria ter seu próprio astronauta em um voo do ônibus especial americano na época em que a companhia Turkish Airlines estudava a compra de 20 jatos, segundo os documentos.

Há um ano, o ministro turco de Transporte, Binali Yildirim, reuniu-se com o então embaixador dos Estados Unidos em Ancara, James Jeffrey, e deixou claro que a Turquia quer ajuda com o seu programa espacial. "A cooperação nesta área criará o ambiente adequado para as negociações comerciais", disse Yildirim ao diplomata.